Author Archive for: Pedro Menezes Pereira

O Crescimento do Marketing Digital!

17 Fev
17/02/2014

Recentemente, a Forrester Research divulgou a projecção para o crescimento do Marketing Digital até 2016.

É interessante verificar que todos os estudos que vamos analisando prevêem um crescimento muito significativo do Marketing Digital nos próximos anos e este não foge à regra.

Ainda este fim de semana, o CEO da Google em Portugal, Paulo Barreto, revelou que apesar da crise, a Google Portugal cresceu dois dígitos no primeiro semestre de 2013. Afirmou ainda que as pequenas e médias empresas começam agora a valorizar o marketing digital, sendo uma excelente alternativa aos mídias tradicionais se tivermos em comparação os preços praticados e medição de resultados muito mais detalhada.

De acordo com a Forrester Research, esta área do Marketing irá valer cerca de  77 bilhões de dólares até 2016, que é equivalente ao que hoje é gasto com publicidade na televisão.

Ficamos ainda com alguns dados relevantes desta projecção:

  • Os motores de pesquisa vão perder quota de mercado e consequentemente vão perder importância nas estratégias de Marketing a aplicar no mundo digital. Contudo, este mercado irá valer cerca de 33.000 milhões dólares por ano(!).
  • As redes display, móveis e sociais, irão crescer substancialmente. As redes sociais irão liderar este crescimento, visto que o tempo médio passado nas redes sociais subiu muito consideravelmente nos últimos dois anos.

A indústria de marketing digital está de facto a crescer exponencialmente.

Existem vários factores que sustentam estas projeções de crescimento, senão vejamos:

  • Os Consumidores on-line são hoje mais inteligentes tendo nas suas mãos inúmeras ferramentas de pesquisa de produtos, de sites de comparação de preço, etc. Até as mais simples compras efectuadas na Internet estão-se a tornar mais ponderadas por parte dos consumidores. No entanto as compras online têm crescido todos os anos em Portugal.
  • A evolução da web têm ajudado os consumidores a navegar na Internet, a interagir com ela e consequentamente a passarem mais tempo frente a esta poderosa ferramenta de comunicação. A Internet democratizou-se.
  • Os consumidores confiam cada vez mais nas redes sociais, reviews de produtos ou serviços, demonstrações de vídeos, nas aplicações móveis e outras tecnologias no processo de decisão de compra.
  • As empresas conseguem medir com muita precisão como os seus clientes ou potenciais clientes interagem com a marca, podendo analisar com precisão o retorno de investimento do investimento em Marketing Digital.
  • Para as empresas, torna-se ainda evidente a multiplicidade de estratégias online. Já não basta apostar apenas nas redes sociais, ou só no site, ou apenas na publicidade online. É necessário diversificar os canais digitais de forma a chegar ao seu público-alvo.

A Google Compreende a tendência

Talvez tenha sido coincidência que com a pesquisa da Forrester a Google tenha lançado um novo serviço. A empresa anunciou a disponibilidade da sua nova função multi-canal no Google Analytics. A multi-canal têm a intenção de dar aos utilizadores do Google Analytics a capacidade de entender toda a gama de influências que levam à conversão online para os seus sites ou blogs.

Esta forma de análise de conversão é conhecido como multi-canal de atribuição, e certamente não é um conceito novo. Os Pioneiros na análise multi-canal incluem programas como o ClearSaleing, Atlas Solutions,  DoubleClick e Omniture. Mas estas ferramentas têm sido orientadas para os analistas de web avançadas, e vêm com preços premium. Agora, o Google introduziu ideias semelhantes para todos os seus utilizadores … de graça.

O Desafio para o Marketeer Digital

De facto é impressionante o ritmo a que esta área está sujeita. Para um Marketeer ligado ao digital, todos os dias existe uma novidade, é analisada uma alteração no hábito dos consumidores, mudam as regras dentro de alguma área digital, sendo que é fundamental ter um acompanhamento diário de tudo o que se vai passando não só em Portugal, mas no mundo!

Nesta constante evolução do mercado digital, por vezes é difícil planear e pensar as coisas no médio prazo e penso ser uma das características mais negativas desta área.

E você o que acha que vai acontecer em Portugal em relação ao Marketing Digital? Acha que as empresas com a crise deverão apostar nesta área?

A Web 2.0 e o Marketing Digital

17 Fev
17/02/2014

Com a chegada da Web 2.0 as empresas apercebem-se do potencial deste novo meio de comunicação. O Marketing tradicional pelo qual as empresas faziam passar toda a sua comunicação (revistas, televisão, boletins informativos e anúncios) já não é suficiente para se atingir nichos de mercado que as empresas procuram.

A era digital, revolucionada com a evolução contínua da internet da Web 1.0 para a Web 2.0 e a nova interacção que resulta do seu desenvolvimento, faz com que o Marketing e as empresas procurem encontrar novas formas de comunicar com o seu público-alvo. Contudo existe uma inversão do processo de comunicação. Actualmente na Internet o processo de troca, é cada vez mais iniciado e controlado pelo cliente ao invés do que acontece por exemplo na televisão, onde o consumidor não pode interagir, sendo portanto um elemento passivo no processo comunicacional. Com esta inversão da comunicação, as empresas empenham-se no desenvolvimento de novas formas de comunicação que envolvam as pessoas.

Segundo Kotler (2006d, pág. 615), existem inúmeros benefícios neste marketing interactivo. Senão vejamos:

  • Os resultados podem ser medidos e identificados;
  • Através das keywords podemos direccionar a comunicação para os utilizadores que utilizam motores de busca;
  • A internet é um meio eficaz para chegar às pessoas a qualquer altura do dia, circunstâncias diferentes das tradicionais;
  • A internet é cada vez mais um espaço utilizado pelos consumidores jovens com boa escolaridade, que tomam cada vez mais as suas decisões de compra pela Internet, tendo mais influência do que a televisão.

Carlos Pinto Ascensão (2009) avança com algumas vantagens da utilização da internet pelas empresas para a divulgação dos seus produtos ou serviços:

  • A possibilidade de atingir um público geograficamente localizado, com uma segmentação detalhada através da idade, do género e dos interesses dos potenciais clientes;
  • Através de um orçamento reduzido, podemos atingir um elevado retorno do investimento (Return of Investment – ROI)
  • Redução significativa do custo de interacção com o cliente e o aumento da qualidade dessa interacção
  • O Marketing digital permite-nos comunicar com os nossos clientes quase instantaneamente;
  • Ligação directa entre os consumidores e os departamentos de inovação torna-se uma realidade com benefícios de ambas as partes

Deixe os seus comentários!

Objectivos na Criação de Um Site para a Sua Empresa

17 Jan
17/01/2014

Porquê criar um site? Será suficiente? Qual o Objectivo de um site?

É sobre este tema dos objectivos que irei exemplificar várias formas de abordar este processo de criação de um site na Internet.

Os Objectivos e razões para a criação de um site podem ser os seguintes:

  • Aumento de clientes – Um site pode permitir chegar a novos clientes que doutra forma não seria possível (exemplo: limitação da localização geográfica);
  • Aumento de facturação – Disponibilizando um novo canal de distribuição, irá haver necessariamente uma aumento de facturação, chegando-se a novos clientes, satisfazendo ainda os actuais clientes com um meio mais acessível de consulta e de compra aumentando assim a sua fidelização á marca;
  • Redução de custos – A existência de um site, reduz a necessidade de instalações, colaboradores para desempenhar tarefas específicas e que podem ser realizadas pelo site automaticamente;
  • Aumento da visibilidade – Actualmente uma empresa que não tem um site é como se não existisse, pois fica invisível a comentários, directórios e motores de busca, oferecendo essa visibilidade à concorrência.
  • Novos e melhores serviços – Serviços de suporte, consultadoria, formação e outros podem ser realizados através deste meio, reduzindo por um lado custos e por outro criando uma melhor experiência ao cliente.

É ainda fundamental estabelecer com o cliente que tipo de site é que pretende:

  • Presença institucional – Conteúdo centrado na empresa, no que ela é capaz de fazer e é uma espécie de cartão-de-visita;
  • Apoio aos processos da organização – Questões como o suporte técnico e apoio comercial passam pelo site com ferramentas diversas optimizando processos;
  • Venda de produtos e serviços – Estão presentes funcionalidades de comércio electrónico que permitem a compra e venda de bens e serviços, utilizando diversos meios de pagamento;
  • Utilização colaborativa – Funciona como um site de interacção entre os utilizadores que permite a troca de informação e conhecimento entre utilizadores.

Por último é fundamental salientar que para um site ser eficaz na sua mensagem é necessário que seja de fácil navegação, simples, interactivo e com um excelente design que faça com que o internauta se sinta confortável e envolvido com o mesmo. Só assim se consegue criar um bom site.

101 excelentes Citações sobre Marketing Digital

09 Jan
09/01/2014

A HubSpot lançou mais um excelente documento. Desta vez reuniu 101 citações de diversas personalidades ligadas ao marketing e ao mundo digital.

 

If you wait until there is another case study in your industry, you will be too late.

Seth Godin
Autor do livro “Permission Marketing”

 

People share, read and generally engage more with any type of content when it’s surfaced through friends & people they know and trust.

Malorie Lucich
Facebook Marketing

 

No matter what, the very first piece of social media real estate I’d start with is a blog.

Chris Brogan
Fundador do New Marketing Labs

 

Instead of one-way interruption, Web marketing is about delivering useful content at just the precise moment that a buyer needs it.

David Meerman Scott
Marketing Strategist
Autor do livro “The New rules of Marketing and PR”

 

Increasingly, the mass marketing is turning into a mass of niches.

Chris Anderson
Autor de “The Long Tail”

 

When you enchant People, your goal is not to make money from them or to get them to do what you want, but to fill them with great delight.

Guy Kawasaki
Apple
Fundador da empresa Alltop.com

 

Remarkable social media content and great sales copy are pretty much the same” — plain spoken words designed to focus on the needs of the reader, listener, or viewer.

Brian Clark
Fundador do CopyBlogger

 

The next time you hear a social media myth, question it. Ask for the proof, and ask out loud.

Dan Zarrella
Especialista em Marketing
Empresa Hubspot

 

Bring the best of your authentic self to every opportunity.

John Jantsch
Autor do livro “Duct Tape Marketing”

 

There are no magic wands, no hidden tricks, and no secret handshakes that can bring you immediate success, but with time, energy, and determination you can get there.

Darren Rowse
Fundador do PROBLOGGER

 

Your culture is your brand.

Tony Hsieh
CEO da Zappos.com

 

Focus on the core problem your business solves & put out lots of content  & enthusiasm, & ideas about how to solve that problem.

Laura Fitton
Fundadora da Oneforty.com

 

You can’t just ask customers what they want and then try to give that to them. By the time you get it built, they’ll want something new.

Steve Jobs
Apple

 

The biggest mistake we see companies make when they first hit Twitter is to think about it as a channel to push out information.

Tim O´Reilly @ Sarah Milstein
Autores do livro “Twitter Book”

 

Clarity trumps persuasion

Dr. Flint Mcglaughlin
Director da Meclabs

 

Don’t be afraid to get creative and experiment with your marketing.

Mike Volpe
Responsável de Marketing da Hubspot

 

You need the kind of objectivity that makes you forget everything you’ve heard, clear the table, and do a factual study like a scientist would.

Steve Wozniak
Apple

 

Make the customer the hero of your story.

Ann Handley
Marketingprofs

 

…the Internet has turned what used to be a controlled, oneway message into a real-time dialogue with millions.

Danielle Sacks
Autor do Livro “Fast Company”

 

In today´s age of Marketing and Web 2.0, a company’s website is the key to their entire business.

Marcus Sheridan
Autor do blog “The sales lion”
Orador de Marketing e Estratégia

 

The way you can understand all of the social media is as the creation of a new kind of public space.

Danah Boyd
Social Media Researcher
Microsoft

 

Presentations are the most amazing persuasion tool available in organizations today.

Nancy Duarte
Presidente e CEO da Duarte Design
 

What makes content engaging is relevancy. You need to connect the contact information with the content information.

Gail Goodman 
Presidente e CEO da Constant Contact
 

Give them quality. That’s the best kind of advertising.

Milton Hershey
Fundador da The Hershey Chocolate Company
 

 More contact means more sharing of information, gossiping, exchanging, engaging—in short,in short – more word of mouth.

Gary Vaynerchuk
Autor do livro “THE THANK YOU ECONOMY”

 

Think about what a user is going to type.

Matt Cutts
Google

 

For corporate marketers, podcasting is low-hanging fruit.

Paul Gillin
Autor do livro “The New Influencers”

 

Video is just one part of a marketing plan. It fits certain messages & people better than others.

Steve Garfield
Autor do livro “Get Seen”
 

Institutions that once had to go through media to deliver information are now themselves media.

Andrew Nachison
Fundador da We Media
 

Before you create any more “great content,” figure out how you are going to market it first.

Joe Pulizzi & Barrett 
Autores do livro “Get Content, get customers”

 

If you have more money than brains, you should focus on outbound marketing. If you have more brains than money, you should focus on inbound marketing.

Guy Kawasaki
Apple
Fundador da Alltop.com

 People shop and learn in a whole new way compared to just a few years ago, so marketers need to adapt or risk extinction.

Brian Halligan
Autor do livro “Inbound Marketing”
 

Understand why and how your audience uses technology and then start trying to align your communications efforts.

Brian Reich & Dan Solomon
Autores do livro “Media Rules!”

 

Audiences everywhere are tough. They don’t have time to be bored or brow beaten by orthodox, old fashioned advertising.

Craig Davis

 

 The attention economy is not growing, which means we have to grab the attention that someone else has today.

Brent Leary
Fundador da CRM Essentials
 

We have embarked upon the world’s largest and longest cocktail party, and every issue imaginable is up for grabs.

Geoffrey Moore
Autor do livro “Dealing with Darwin”
 

Social media are tools. Real time is a mindset.

David Meerman Scott
Orador de Marketing estratégico
Autor do livro “The new rules of Marketing and PR”
 

Increasingly, search is our mechanism for how we understand ourselves, our world, and our place within it.

John Battelle
 

Either write something worth reading or do something worth writing about.

Benjamin Franklin

 

Search a marketing method that didn’t exist a decade ago, provides the most efficient and inexpensive way for businesses to find leads.

John Battelle
Jornalista
Fundador da Federated Media

 

For the past 10 years, corporations have been trained that they should use all the different media… But the Internet is becoming the umbrella.

Larry Weber
Autor do livro “Marketing to the social web”
 

Doing well with blogging is not about writing one key post, it is about performing day after day and helping a few people at a time.

Aaron Wall
Autor do blog SEOBOOK
 

You can´t expect to just write and have visitors come to you – that’s too passive.

Anita Campbell
Fundadora da Smallbiztrends.com
 

Word-of-mouth marketing has always been important. Today, it’s more important than ever because of the power of the Internet.

Joe Pulizzi & Barrett 
Autores do livro “Get Content, get customers”

 

In a way, the Web is like your Hollywood agent: It speaks for you whenever you’re not around to comment.

Chris Brogan & Julien Smith
Autores do livro “Trust Agents”
 

 

For business, our Internet love affair was a gift from the gods.

Gary Vaynerchuk
Autor do livro “The Thank you economy”
 

Corporations must answer questions about why they should be in the blogosphere. Small businesses need to answer questions about why they shouldn’t.

Paul Gillin
Autor do livro “The New Influencers”

 

Good content should be at the heart of your strategy, but it is equally important to keep the display context of that content in mind as well.

Tim Frick
Autor do livro “Return on Engagement”

 

No matter what or whom we’re talking about, from movies to chiropractors to books to financial planners, the consumer hankers after specialization.

Susan Friedmann
Autor do livro “Riches in Niches”
 

 

The right people to start video blogging are those with a passion to tell a story.

Steve Garfield
Autor do livro “Get Seen”
 

I am all for conversations. But you need to have a message

Rennee Blodgett
Presidente da Blodgett Communications
 

Your network is your filter.

Don Tapscott & Anthony D. Williams
Autores do livro “Wikinomics”

 

When you’ve got people commenting on your stuff or calling you out or challenging you—you have to be prepared to guard yourself from being something that isn’t you.

David Armano
Vice-presidente da Edelman Digital
 

 

No matter your sector, chances are that people are already twittering about your products, your brand, your company or at least your industry.

Tim O´Reilly & Sarah Miltein
Autores do livro “The Twitter Book”
 

 

What happens online is you are constantly dealing with invisible audiences.

Danah Boyd
Social Media Researcher
Microsoft
 

 

 Twitter is not a technology. It’s a conversation. And it’s happening with or without you.

Charlene Li
Autora do livro “Groundswell”

 

 To trust agents, hyperlinks are the twenty-first-century equivalent of the name-dropper.

Chris Brogan & Julien Smith
Autores do livro “Trust Agents”

 

Good-bye, Broadcast. Hello, Conversation.

Shel Israel
Autora do livro ” Naked Conversations”
 

 

Marketers need to build digital relationships and reputation before closing a sale.

Chris Brogan
Fundador da New Marketing Labs
 
 

As you’ve noticed, people don’t want to be sold. What people do want is news and information about the things they care about.

Larry Weber
Autor do livro “Marketing to the social web”
 

 

You want to invent new ideas, not new rules.

Dan Heath
Orador de Marketing
 

 

Businesses should follow and learn from others successes and failures in order to better understand and predict their own.

Ben Mezrich
Autor do livro “Bilionários acidentais”

 

Companies are learning that it’s much better to offer customers a place to give direct feedback at their virtual doorstep than to ignore complaints and let them crop up everywhere.

Brian Reich & Dan Solomon
Autores do livro “Media Rules!”

 

To be successful and grow your business and revenues, you must match the way you market your products with the way your prospects learn about and shop for your products.

Brian Halligan
Co-autor do livro “Inbound Marketing”
 

Smartphones are reinventing the connection between companies and their customers.

Rich Miner
Parceiro da Google Ventures
Co-fundador do Android
 

 

Understand the key factors in the math behind viral marketing, and use those to figure out what it takes to get viral growth.

David Skok
Matrix Partners
 

You´ve probably got a device on you that can shoot decent video, so what’s stopping you? Capture and share some moments.

Steve Garfiel
Autor do livro “Get Seen”

 

Think like a customer.

 

Effective engagement is inspired by the empathy that develops simply by being human.

Brian Solis

 

From sixdegrees to Friendster to Facebook, social networking has become a familiar and ubiquitous part of the Internet.

David Kirkpatrick
Autor do livro “The Facebook Effect”
 

We’re all learning here; the best listeners will end up the smartest.

Charlene Li
Autora do livro “Groundswell”

 

Marketing isn’t magic. There is a science to it.

Dan Zarrella
Social Media Scientist
HUBSPOT

 

Holding back technology to preserve broken business models is like allowing blacksmiths to veto the internal combustion engine in order to protect their horseshoes.

Don Tapscott & Anthony D. Williams
Autores do livro “Wikinomics”

 

The future of business is social.

Mzinga

 

Keep your eye out for hot topics and trends. The media is constantly looking for timely stories.

Jim Kukral
Orador de Marketing
Autor do livro “Attention!”
 
 

 

Traditional methods of sales prospecting are grossly inefficient.

Jill Konrath
Autor do livro “Snap Selling”
 

 

I can take what I learned from writing articles, educate a new audience with a new channel, and leapfrog other companies who aren’t embracing this now.

Brian J. Carrol
CEO da Intouch
 

 

By publishing content that shows buyers you understand their problems and can show them how to solve them, you build credibility.

Ardath Albee
Autor do livro “Emarketing Strategies”
 

 

Already, companies that speak in the language of the pitch,the dog-and-pony show, are no longer speaking to anyone.

Rich Levine
Co-autor do livro “The cluetrain manifesto”

 

Authenticity, honesty, and personal voice underlie much of what’s successful on the Web.

Rich Levine
Co-autor do livro “The cluetrain manifesto”
 

 

Your organization is becoming hyperlinked. Whether you like it or not. It’s bottom-up; it’s unstoppable

David Weinberger
Autor do livro “Everything is Miscellaneous”

 

When all you’ve got is a hammer, bad service looks like a nail.

Doc Searls
Jornalista e autor do livro “The cluetrain manifesto” 
 

Take two ideas and put them together to make one new idea. After all, what is a Snuggie but the mutation of a blanket and a robe?

Jim Kukral
Orador de Marketing
Autor do livro “Attention!”

 

Recognize that giveaway items serve as silent ambassadors, reinforcing your Expert Identity — choose them carefully!

Susan Friedmann
Autora do livro “Rich in niches”
 

 

Money follows passion— not the other way around.

David Siteman Garland
 

 

For many businesses, the fear behind their social media reluctance isn’t just fear of failure but of blame and accountability—both individual and collective.

Jay Baer & Amber Naslund
Autores do livro “The New Revolution”

 

Companies need to lighten up and take themselves less seriously. They need to get a sense of humor.

 

 

Until Facebook came along, there was hardly anywhere on the public Internet where you had to operate with your real name.

David Kirkpatrik
Autor do livro “The Facebook effect”
 

 

By listening, marketing will re-learn how to talk.

Doc Searls
 

 

Companies need connections to their markets to create long-term loyalty.

Charlene Li & Josh Bernoff
Autores do livro “Groundswell”
 

 

There’s a lot of fearmongering about “losing control” of your brand online, when, in fact, you’ve got control over as much as you always have: how you present your business and how you act.

Jay Baer & Amber Naslund
Autores do livro “The New Revolution”
 

 

Be passionate about the culture and the business, and remain positive, because it inspires others.

Barry Libert
Autor do livro “Social Nation”
 

 

Good is the enemy of great… The vast majority of good companies remain just that—good, but not great.

Jim Collins
Autor do livro 

 

Those who build and perpetuate mediocrity… are motivated more by the fear of being left behind.

Jim Collins

 

…one way to sell a consumer something in the future is simply to get his or her permission in advance.

Seth Godin
Autor do livro “Permission Marketing”
 

 

 In this age of microblogging and two-second sound bites, almost no one has the attention span, or time, to read more than a few sentences.

Tim Frick
 

 

Once you have your questions and stories, map them to the buying process—just as your prospect will experience them.

Ardath Albee
 

 

What we really need is a mindset shift that will make us relevant to today’s consumers, a mindset shift from telling & selling to building relationships.

Jim Stengel
Director de Marketing da Procter & Gamble
 

 

it no longer makes economic sense to send an advertising message to the many in hopes of persuading the few.

Lawrence Light
Marketing Manager do McDonald´s
 

When you break down all the fluff, there are two ways to promote and market your business: dumber, slower, and expensive — or smarter, faster, and cheaper.

David Siteman Garland
Pivot do “Rise of the Top”

 

There is no black magic to successfully attracting customers via the Web.

Rand Fishkin
Fundador do SEOMOZ
 
Fonte: HUBSPOT

Glossário de Marketing Digital

08 Jan
08/01/2014

Sendo o Marketing Digital uma área relativamente recente, existem muitas palavras que ainda não estão devidamente traduzidas para Português. Assim decidimos escrever uma lista com as principais terminologias usadas com as respetivas definições.

Glossário de Marketing Digital:

Ad Serving – Servidor de anúncio, aplicação responsável pela apresentação dos anúncios num site. Possibilita a gestão do mesmo e a obtenção de diversas estatísticas.

Affiliate Marketing – Uma filial (proprietário de um web site com muito tráfego), exibe um anúncio (como um banner ou link)  para uma empresa. Se um consumidor visitar esse anúncio, o site que o exibe receberá uma comissão.

Applet – Pequeno software de aplicação que é utilizado pelos browsers para disparar automaticamente uma animação e/ou para aceder a uma base de dados requerida pelo utilizador.

ARPANET – Rede percursora da Internet, criada e desenvolvida nos anos 60 e 70 pelo departamento de defesa Norte-Americano.

ASP – Aplicacion service provider, empresa que fornece aplicações informáticas em regime partilhado para os seus clientes. Este software reside no servidor do ASP.

Autoresponder – Software utilizado para automatizar determinadas acções na comunicação entre uma empresa e um cliente ou potencial cliente. É uma espécie de resposta automática a mensagens de correio electrónico.

Avatar – A foto ou desenho animado usado para representar um indivíduo num chat, fóruns, jogos ou num site.

B2B – Business to Business, relativo ao comércio electrónico realizado por empresas entre si.

B2C – Business to Consumer, relativo ao comércio electrónico realizado entre empresas e consumidores.

B2G – Business to Government, relações comerciais entre as empresas e os governos.

Backbone – Canal primário do tráfego electrónico na rede.

Bandwidth – A taxa de transmissão de uma linha de comunicação, normalmente medido em kilobytes por segundo  (Kbps).

Banner – Anúncio da Web rectangular que mede geralmente 468*60 pixéis. Quando se clica, executa um programa ou direcciona o utilizador para outra página.

BBC – Blind Carbon Copy, campo que se utiliza para enviar uma mensagem de correio electrónico para diversas pessoas, sem que estas tenham conhecimento a que outras pessoas a mesma mensagem foi enviada.

Blog – Um espaço on-line regularmente actualizado apresentando opiniões ou actividades de um indivíduo ou um grupo de indivíduos e exibido em ordem cronológica.

Branding – Quando se trabalha uma marca na Web.

Brochureware – Designação corrente de um site em que a informação foi transferida directamente para a Internet através de uma base de papel previamente existente.

Buffering – Quando um player de mídia streaming salva porções de arquivo até que haja suficiente informações para o arquivo começar a correr.

Business Intelligence – Compilação de informação primária e secundária acerca da concorrência, mercados, clientes e outra informação comercial relevante.

Button/Butão – Um anúncio quadrado online normalmente encontrados incorporado em uma página do site. Dimensões: 125×125, 120×90, 120×60, 88×31 ou 120×240 pixéis.

Buzzword – Palavra aplicada aos negócios da nova economia (economia digital);

C2B – Consumer to Business, referente ao comércio electrónico em que a iniciativa parte do consumidor;

C2C – Consumer to Consumer, relativo ao comércio electrónico em que os consumidores negoceiam entre si, com o patrocínio de um broker. Os mais frequentes são os leilões;

Cache – Memória que permite armazenar temporariamente os ficheiros, contéudos e páginas mais pedidos, de forma a aumentar a rapidez com que aparecem ao utilizador;

Clicks/Cliques – A oportunidade do utilizador selecionar um determinado botão num site e efectuar uma ligação á internet;

Clipping – Classificação das notícias;

Collaborative virtual – Trata-se de um programa que compila opiniões de cibernautas sobre um mesmo tema e as disponibiliza a outros em tempo real;

Cookie – Um ficheiro registado no disco rígido do computador que unicamente identifica o utilizador desse browser. Existem dois tipos de cookies, as persistentes e as sessões. As primeiras permanecem no computador do internauta até que este as apague ou expirem. As sessões (sessions cookies) são temporárias e apagam-se quando o browser se desliga;

CPC – Custo por clique, preço pago para veicular um anúncio num site baseado exclusivamente na contagem das vezes que a publicidade recebeu cliques dos utilizadores;

CPL – Custo por lead, preço pago para veicular um anúncio num site, baseado em quantos leads o anúncio gerou;

CPM – Custo por mil impressões, é o preço pago pelos anunciantes quando o seu banner é visualizado 1000 vezes;

CPO – Cost per order, custo por encomenda, isto é, o preço pago para veicular um anúncio num site, baseado em quantas encomendas resultou a exposição dessa publicidade;

CRM – Customer relationship managment, comunicação única e individualizada com o cliente a partir de gestão de base de dados. Criação de acções de marketing coordenadas e personalizadas, que evitando conflitos, proporcionam sinergias com o cliente em todos os pontos de contacto entre este e a empresa.

CTR – Click-through rate, taxa de respostas de um anúncio online. É uma percentagem resultante da divisão do número de click-throughs pelos números de impressões.

Cupões virtuais – Cupões promocionais apenas com existência online, para utilização exclusiva em lojas virtuais;

Data mining –  Extracção de informação de uma data warehouse que permite a previsão através de análise estatística, para encontrar padrões e outra informação nas bases de dados;

Domínio – Sistema de endereçamento da internet constituída por uma sequência de nomes separados por pontos;

Double opt-out – Acção utilizada para confirmar o registo de uma pessoa numa base de dados por email;

E- Commerce – Comércio electrónico;

E-ad – Anúncio digital;

E-Business – Termo registado pela IBM e que pode definir-se como sendo a continua optimização das actividades de uma empresa utilizando as tecnologias digitais, tais como as comunicações digitais, o e-commerce e a pesquisa online;

E-Coupons – Forma de promoção de um serviço ou produto através de um “cupão” na internet.

Effective reach – Alcance efectivo, número de pessoas que verão uma propaganda pelo número efectivo de vezes;

E-Market place – Intermediário que possui um site onde coloca em contacto vendedor e comprador, facilitando negócios;

E-newsletter – Mensagem de e-mail enviada para um conjunto de internautas com o mesmo perfil, com o intuito de divulgar informações sobre a entidade emissora. Na sua maioria são pedidas pelos internautas através de subscrições.

E-publicidade – Publicidade veiculada nos meios digitais.

E-zine – Revista publicada especificamente na internet.

Frequência – Número vezes que as pessoas ou famílias são expostas a uma mensagem publicitária, a uma campanha publicitária.

FTP – File transfer protocol, protocolo para movimentação e transferência de ficheiros na internet.

Interruptive Marketing – Publicidade online que aparece nas telas dos internautas no topo do conteúdo da web  ( às vezes antes Web página aparece).

Interstitial – Peça publicitária que interrompe o internauta antes do carregamento de uma determinada página Web. Pode ser uma página inteira que aparece no monitor ou uma pequena janela que aparece na frente da página.

ISP – Internet service provider, empresa que fornece ligação para acesso à internet.

Anúncios intersticial – Aparecem entre duas páginas de conteúdo.  Também conhecido como splash pages e anúncios de transição.

IPTV (Internet Protocol TV) – O uso de uma conexão de banda larga para transmitir televisão digital através da Internet para subscritores.

Microsite – Um sub-site com publicidade normalmente enquadrado dentro de um site principal. O internauta permanece no site principal, mas tem acesso a mais informações do anunciante.

Keyword – Entrada indexada que indica um ficheiro ou documento especifico (palavra-chave).

Link – Endereço de ligação a outro documento.

Mailing list – Lista de assinantes para envio de correio electrónico.

Marketing Directo – Qualquer tipo de comunicação dirigida a consumidores ou empresas, criada para gerar uma resposta em forma de encomenda (direct order), um pedido de mais informações (lead) e/ou uma visita a uma loja ou outro espaço específico destinado à venda de produtos ou serviços (geração de tráfico).

Marketing one-to-one – Diálogo que ocorre entre uma empresa e os consumidores individualmente.

Marketing Viral – Equivalente online do Word of mouth, igualmente referido como word of mouse. Ocorre quando são efectuadas sucessivos reenvios de correios electrónicos recebidos para migos, colegas e familiares.

M-commerce – Comércio electrónico através de dispositivos móveis de acesso à internet.

Opt-in – Estratégia seguida pelas empresas para a criação da sua base de dados de endereços de correio electrónico, neste caso as pessoas estão conscientes que os seus endereços estão inseridos na base de dados, pois deram o seu consentimento.

Opt-out – Estratégia seguida pelas empresas para a criação da sua base de dados de endereços de correio electrónico, neste caso as pessoas não estão conscientes que os seus endereços estão inseridos na base de dados, pois não deram o seu consentimento, mas tem opção de pedir para que os seus dados sejam retirados da base de dados.
Orientações Rich Media – Guia de Design produzido pelo IAB para a utilização eficaz dos Tecnologias Rich Media em todas as formas de Internet publicidade. Têm como objectivo proteger o usuário experiência, mantendo-os no controle da por exemplo, a experiência: o incentivo claramente identificados perto, botões de som e vídeo.

Skyscraper – Um anúncio de comprimento, vertical,  normalmente encontrado correndo ao lado de uma página num posicionamento fixo.
Overlay – O conteúdo da publicidade on-line que aparece no topo da página.

Permission Marketing – Consiste em obter o direito de se relacionar com um individuo. Significa que indivíduos permitem que uma empresa lhes envie informação ou publicidade.

Post – Mensagem enviada para uma comunidade virtual, blog, grupo de discussão, lista de correio ou fórum de discussão.

Pre-roll – O nome dado à publicidade mostrada antes, ou durante um vídeo online .

Publicidade Contextual  – A publicidade que é segmentado ao conteúdo da página Web e que está ser visualizado nesse momento específico.
Pull – Estratégia publicitária mediante a qual é o público-alvo que decide que tipo de mensagens publicitárias quer receber.

Push – Estratégia publicitária mediante a qual o anunciante decide que tipo de mensagens publicitárias o público-alvo irá receber, sem que este último tenha qualquer opção de escolha.
Rich Media – É o nome coletivo para formatos de publicidade online que utilizam avançados processos para fazer crescer uma marca na Internet. Usa-se normalmente elementos interativos e áudio-visuais para dar um conteúdo mais rico ao consumidor, tentanto através destas novas experiência criar-se uma interacção entre a publicidade e o seu público-alvo.

ROI – Return of investment, retorno do investimento realizado.

RSS – Really simple syndication, formato XML criado para partilhar títulos de notícias e outros contéudos Web. Esta tecnologia permite aos utilizadores receberem as notícias relacionadas com os temas de seu interesse, sem terem que consultar cada uma das fontes para as procurarem, recebendo-as directamente no seu ambiente de trabalho.

Universal Advertising Package – Um conjunto de formatos de publicidade online que são padronizados definidos pelo IAB.

Search Marketing – Acção de publicitar um site através dos motores de busca, quer seja através de melhorar o posicionamento na pesquisa orgânica, por compra de publicidade nos motores de busca ou pela combinação destas duas actividades.

Segmentação Comportamental – Uma forma de marketing online que usa tecnologia de publicidade para atingir os usuários da web com base na sua anterior comportamento.  Publicidade criativa e de conteúdo que pode ser adaptado para ser mais relevante para um determinado usuário, capturando sua decisão anterior tornando o comportamento (por exemplo: o preenchimento preferências ou visitar certas áreas do um site com frequência) e à procura de padrões.

SEO – Search engine optimization, acção de alterar um site de tal forma que ele seja mais visível na pesquisa orgânica dos motores de busca.

SET – Secure electronic transactions, padrão de encriptação cujo objectivo é garantir a segurança das transacções de e-commerce e que foi desenvolvida pelo Visa e pela Mastercard.

Site– Denominação de um endereço de internet que agrega um conjunto de páginas sobre determinado assunto.

SMTP – Simple mail transfer protocol. Protocolo que se utiliza para o envio de mensagens de correio electrónico em computadores.

Social Networking – Forma de expandir os contactos sociais e profissionais realizando conexões através de outras pessoas.

Solus email advertising – onde o corpo do do e-mail é determinado pelo anunciante, incluindo texto e elementos gráficos, e é enviado em seu nome por um gerenciador de lista de e-mail /proprietário. O email marketing é realizado numa base opt-in, onde o destinatário tenha dado seu consentimento para receber comunicações.

Spam – Mensagens publicitárias enviadas para um grande número de pessoas que não solicitaram essa informação.

Spider – Também denominado robot, programa desenvolvido pelos motores de busca e que viaja na internet automaticamente, normalmente para indexar contéudos de sites, registando toda a informação relevante nas bases de dados motores de busca respectivos.

SSL – Secure sockets layer, técnica de encriptação utilizada para ocultar informação, como seja números de cartões de crédito, quando estes passam através da internet, de um browser para um servidor da Web.

Sponsorship – patrocínios Anunciante alvo áreas de conteúdo (por exemplo, o Web site inteiro,
área local ou um evento) vezes para promoção finalidades.

Streaming media – Compressão de áudio / vídeo que desempenha e  realiza o download ao mesmo tempo.
O usuário não precisa esperar para o conjunto arquivo para baixar antes de começar a jogar.

Superstitials – Uma forma de publicidade de rich media que permite uma experiência de TV como na internet. É totalmente pré-cache antes de iniciar.

Tagging – Acção de criar tags (palavras-chave) para classificar um elemento digital, como sejam um site, uma imagem ou um vídeo. Com este tipo de metadata consegue-se descrever os elementos.

Target Marketing – Análise de público segmentado, por exemplo, banners ou promoções para uma faixa especifica do mercado.

Taxa de conversão – Medida de sucesso de uma publicidade on-line quando comparado com o click-through taxa. O que define uma ‘conversão ‘ depende o objetivo de marketing, por exemplo: ela pode ser definida como uma venda ou uma solicitação para receber mais informações, etc …

Formato Embedded – Formatos de Publicidade  que são exibidos em espaços definidos em um
página do editor.

banner expansível arranha-céu / – Fixos  canais de publicidade on-line que expandem  sobre a página em resposta à acção do usuário,  por exemplo: mouseover.

Flash – Software que cria  animação e elementos interativos que são de rápido download.

Flash impressão – O número total de solicitações feitas para as páginas holdign baseados em flash.
Impressão – A métrica utilizada para medir  as visualizações de uma página web e seus elementos, incluindo  a publicidade.
UMTS – Universal mobile telecommunications system, terceira geração de comunicações móveis que vai substituir o GSM, permitindo a distribuição de informação em banda larga.

Conteúdo gerado pelo usuário – o conteúdo on-line criado por usuários do site em vez de mídia
proprietárias ou editoras – quer através de opiniões, blogging, podcasting ou postar comentários,
fotos ou videoclipes. Sites que encorajam conteúdo gerado pelo usuário. Exemplo – MySpace, YouTube, Wikipedia e Flickr.

Web 2.0 – O termo Web 2.0 descreve a próxima geração do uso online. Web 2.0 identifica o consumidor como um dos principais contribuintes na evolução da Internet nos dois sentidos. O Internauta passa de espectador a contribuidor.

Usuários únicos – Número de indivíduos diferentes que visitam um site dentro de um período de tempo específico.

Web – Abraviatura de World-Wide-Web. É parte da internet que suporta um interface gráfico de utilizador que permite a navegação em hipertexto com um browser.

Wiki – Um wiki é um tipo de site que permite que os próprios visitantes facilmente adicionar, remover,
ou editar e alterar algumas disponível conteúdo, às vezes sem a necessidade de registo.

As Vantagens do Marketing Digital

07 Jan
07/01/2014

Mas afinal quais são as principais vantagens do marketing digital?

Abordamos aqui algumas vantagens assim como estratégias que permitam uma comunição mais eficaz no meio digital. Mas afinal como podemos trabalhar os 4 p´s no marketing digital?

Produto
  • A apresentação deverá ser cuidada e graficamente agradável, contendo uma descrição bem formatada.
  • Marcas com boa notoriedade e uma imagem consolidada terão de ter em atenção as grandes diferenças entre o âmbito geográfico dos mercados, real e virtual.
Preço
  • Poderá e deverá ser adaptado e ajustado ao cliente, podendo ser mais baixo no mercado virtual. Contudo é necessário conciliar o preço virtual com o do mercado real de forma a não prejudicar nenhuma delas
  • Os sistemas de pagamento têm de ser fiáveis, e devem dar ao cliente a garantia de segurança.
Distribuição
  • Internet permite que a distribuição seja barata e imediata, por download, de produtos financeiros, software, livros, informação, algumas imagens, música e material audiovisual.
  • Os produtos e serviços podem também eles serem chegarem aos destinatários de uma forma rápida e barata.
Comunicação-Marketing
  • O meio digital permite inúmeros meios de comunicação para abordar os consumidores, tais como, os banners, links, chats, chatrooms, newsgroups, email marketing, marketing viral, publicidade on-line e redes sociais.
  • Com a Web e a possibilidade de ter um acesso a um mercado global, é necessário haver um entendimento cultural, da ordem jurídica, língua entre outros desses países de forma a ultrapassar as barreiras que podem surgir no caminho.

Na internet encontramos uma nova e poderosa ferramenta de comunicação, onde as fronteiras dos países deixam de existir, onde os consumidores podem estar em Portugal ou na Austrália, onde se pode segmentar e personalizar as mensagens que são enviadas, onde se pode comunicar de uma forma personalizada e onde podemos medir os resultados obtidos com rigor e exactidão.

As vantagens da utilização deste meio são evidentes tanto para os internautas/consumidores como para as organizações.

Para os internautas e consumidores
  • Na consulta rápida e eficaz da informação.
  • Interactividade com a Web 2.0.
  • Maior oferta de produtos e serviços.
  • Consulta de preços.
  • Recreação e diversão.
  • Gratificação imediata.
  • Conveniência (acesso em qualquer lugar e a qualquer hora)
Para as organizações
  • Imagem de inovação da empresa com a presença na Web.
  • Estudos de mercado assertivos e precisos.
  • Capacidade de reacção á concorrência.
  • Capacidade de adaptação.
  • Acesso a um mercado global.
  • Acesso permanente ao mercado.
  • Capacidade de interacção.
  • Redução do preço com a eliminação de intermediários.
  • Optimização de recursos com a capacidade de poupar tanto nos recursos humanos, como com gastos referentes a espaços físicos.
  • Capacidade de interacção directa e imediata com o consumidor para criar ou adequar novos produtos ou serviços.
  • Capacidade de reacção mais eficaz na assistência ao cliente.

Outras vantagens do marketing digital para as empresas
  • Marketing mais orientado para o seu target;
  • Menos gastos em publicidade para a obtenção de melhores resultados;
  • Maior controlo do impacto da campanha;
  • Melhoria da imagem da marca em termos de inovação;
  • Potencial da dimensão do mercado;
  • Comunicação instantânea;
  • Plano de marketing digital totalmente exclusivo e direccionado para as suas necessidades;
  • Assessoria especializada na selecção das acções propostas

.

Casos práticos nas vantagens do Marketing Digital
  • Quando acedemos a um site estrangeiro é possível visualizarmos um banner com um produto Português, e isto acontece porque o sistema detecta que esse endereço de IP é de Portugal
  • Estando a finalizar uma compra na internet podemos sugerir um outro produto a esse internauta, estabelecendo um relação entre o produto que estamos a vender e um outro produto que está relacionado com o interesse do internauta.
  • Estabelecer uma ligação directa entre os consumidores e os departamentos de investigação e desenvolvimento torna-se realizada de, com benefícios para ambas as partes.

São assim ilustrativas as vantagens que o marketing digital poderá trazer tanto para as empresas como para os consumidores e a mudança de paradigma comunicacional que esta nova ferramenta de Marketing acrescenta no mercado global.

top

Bibliografia utilizada:

Coelho e Cavique “Plano de Marketing” (2008)

Carrera “Marketing Digital e a Web 2.0″  (2009)

Plano de ação para SEO – Planeamento de SEO para um Site Empresarial

06 Jan
06/01/2014

Search Engine Optimization, ou SEO é na verdade umas das áreas fundamentais na gama dos serviços de marketing digital para um website empresarial.

A competição é tal que, se não utilizar os serviços de SEO será muito complicado o site da sua empresa ficar “visível” nos principais motores de busca mundiais. As empresas que queiram competir no mercado online têm definitivamente apostar nesta área do Marketing Digital.

Através de técnicas de SEO, o tráfego da web para o seu site pode ser aumentado e os motores de busca irão classificar o seu website com um bom “Page Rank”, essencial para aparecer nos lugares cimeiros, sempre que accionada uma “keyword” relacionada com o seu site.

Ao estar bem classificado nos motores de busca, mais pessoas irão visitar o seu site, logo poderá criar mais condições para ter mais conversões, ou seja, mais vendas!

Na nossa experiência, as técnicas e ferramentas a usar são inúmeras. Na Digital Discovery usamos cerca de 7 ferramentas/software para obter/monitorizar resultados. O SEO é uma área do marketing digital muito exigente. Contudo é recompensador ver os resultados provenientes de o investimento feito nesta ferramenta de marketing digital.

A Digital Discovery, seguindo todas as regras do Google Webmaster Guidelines encontra-se atualmente em 1º lugar para diversas palavras-chave relevantes na área do marketing digital. E temos orgulho no nosso trabalho!

Mas como aumentar a competitividade de um website empresarial nos motores de busca? Vamos dar um exemplo de um plano SEO para optimização de websites:

Exemplo de Plano de SEO para Websites de Empresas

Estrutura

  • Criação de um email apenas para SEO (ex: webmaster@digitaldiscovery.com.pt)

– Deverá criar um email apenas para a atividade de SEO, tanto para registo em websites, como para registo em motores de busca ou até para contactar bloggers.

  • Definição de objetivos de SEO

– É fundamental quando inicia um plano de SEO perceber quais os objetivos que o website pretende atingir. (Exemplo: atingir os primeiros lugares no google com determinadas palavras-chave, estratégia de contéudos, aumento de pagerank, etc)

  • Avaliação do domínio/website

– É necessário avaliar o domínio com que se vai trabalhar. Para isso existem algumas ferramentas que podem ser úteis, tais como, o Woorank, ou o toolbar do MOZ onde podemos avaliar o DA (domain authority), PA (page authority) e links que estão ligados ao dominio da empresa. É igualmente importante ver a idade do dominio assim como a sua data de expiração para não sermos surpreendidos. Uma excelente ferramenta é o WHOIS. Outra ferramenta gratuita para identificar erros no website é o W3C Validator. O W3C identifica erros de código que poderão posteriormente serem entregues a um programador para correcção.

  • Verificação do website da empresa no Google

– É possivél verificar rapidamente se o website da empresa está indexado no Google. Para isso basta digitar no Google, na procura, o seguinte comando – site:exemplo.com – Se não houver nenhum problema, as páginas que estão indexadas devem aparecer nos resultados de pesquisa.

  • Instalação de uma plataforma de web analytics

– Para procedermos á avaliação de como as pessoas navegam no website da sua empresa é necessário a instalação de uma plataforma de web analytics. Existem inúmeras alternativas, contudo recomendados o Google Analytics. É gratuita e de fácil instalação. É muito completa chegando a providenciar uma monitorização em tempo real.

  • Avaliação do design do website

– Para procedermos a esta avaliação é necessário perceber alguns pontos fundamentais, tais como, qual é a principal página de entrada do website da empresa, quais as keywords que estão a levar o tráfego para o website, quais as páginas do website que podem ser melhoradas, percentagem de novas visitas vs visitas que retornam ao website, quais as plataformas que os visitantes estão a usar quando entram no website (desktops, mobile, iphone, android, etc), entre outras.

  • Avaliação dos contéudos

– É importante analisar os contéudos do website. Caso o website não tenha contéudos, será necessário criar um calendário com o lançamento de contéudos relevantes para a área de negócio em questão. Podem ser diários, semanais ou mensais. Esta estratégia de contéudos é obrigatória no desenvolvimento de uma campanha de SEO. A Google sempre referiu que “Content is King”. E com a evolução do algoritimo da Google a gestão de contéudos veio para ficar nas estratégia de SEO a utilizar.

  • Criação de um mapa XML

– O website da sua empresa já tem uma Sitemap XML?

Estes são um modo de informar o Google sobre as páginas do seu site de outro modo seriam dificil de descobrir por parte dos motores de busca. Resumidamente, um Sitemap de XML é uma lista das páginas do seu site. Uma boa ferramenta para o efeito é o XML-Sitemaps. Esta ferramenta gera automaticamente um mapa do website da sua empresa.

  • Teste do Website

– Experimentar o website nos 5 browsers mais usados assim como em dispositivos móveis.

  • Teste de velocidade do website

– Utilize a ferramenta do Google Page Speed Service para efetuar testes da velocidade do website da sua empresa. Com esta ferramenta poderá identificar quais as partes de código do seu website que estão a atrasar o loading time/velocidade

  • Definição de keywords

– É necessário efetuar um estudo de quais as palavras-chave relacionadas com a área de negócio que tem mais procura no Google. Uma excelente ferramenta para podermos obter estas estimativas de procura de palavras-chave é o keyword planner tool da Google.

  • Campanha de Google Adwords

– Após encontrar as palavras-chave mais indicadas para o seu negócio é necessário realizar uma campanha no Google Adwords para testar as palavras-chaves que obtém um CTR (click trow rate) mais elevado. Assim ficamos a saber quais as palavras que tem mais exito junto do seu público-alvo.

  • Análise da concorrência

– É fundamental observar a concorrência ao nível do seu marketing digital. O website, se estão presentes nas redes sociais, se possuem um blog, se fazem publicidade online, e como estão posicionados nos SERP. Através desta análise podemos ver os concorrentes mais fortes ao nivél do digital, quais as palavras-chave que usam, que links estão apontados aos seus websites e que estratégia digital de SEO é que estão a usar podendo mesmo aproveitar algumas ideias que tenham sido postas em prática pela concorrência.

  •  Registo serviços de geolocalização

– Recomendamos o registo da empresa em alguns serviços de geolocalização, tais como, o Google Places, Yahoo Local, Bing Places, Ask, City Search, Yelp, entre outros.

  • Registo no DMOZ e Alexa

– Recomendamos ainda o registo do website em dois serviços que são considerados pela Google como duas fontes credíveis de análises de websites. O DMOZ e o Alexa. Se conseguir registrar obtém dois links de fontes externas para o seu website com um excelente pagerank a custo zero.

  • Registo nos motores de busca

– Recomendamos o registo do website nos seguintes motores de busca. O Google Webmaster, o Bing Webmaster e o Yandex Webmaster. Nestas plataformas podemos adicionar páginas nos respetivos motores de busca, podemos analisar keywords relacionadas com o website da empresa e podemos ainda enviar o mapa XML para que os motores de busca possam verificar a arquitetura e páginas do website mais rapidamente.

  • Registo nas redes sociais

– Pensamos ser fundamental o registo da empresa/website em redes sociais. Embora a estratégia das redes sociais serem outra vertente do marketing digital, o registo nas mesmas trazem um beneficio para o website em questão. Este registo pode ser efetuado em inúmeras redes sociais, algumas das quais permitem o registo do website, ganhando assim um link externo a custo zero. Existem mais de 60 redes sociais. Porém as mais conhecidas são o Facebook, Twitter, Google+, Pinterest, Instagram, Youtube e Linkdin.

  • Optimização On-page

A optimização on-page do website é outra vertente fundamental na optimização de websites. É aquela que podemos controlar e trabalhar de forma a que o website fique amigável para os motores de busca. Uma excelente ferramenta para efetuar este diagnóstico é o Screaming frog. Esta plataforma permite verificar inúmeros campos internos do website, como por exemplo, keywords nos titulos das páginas, keywords nos URL´s das páginas, o H1 da página, reedericeonamentos 301, erros 404, no folow links, links internos, e outras informações técnicas que permitem identificar erros no website da empresa. É fundamental trabalhar todos estes campos! Pode ver mais informações de optimização on-page nest link.

  • Optimização Off-page

A optimização off-page sempre foi considerada como uma das mais importantes estratégias de SEO na indústria. Esta consiste basicamente na quantidade/qualidade de links que apontam para o nosso website. Sem estes links o website da sua empresa é basicamente invísivel nos motores de busca. É necessário obter estes links.

Será então necessário criar uma estratégia de link-building. Aconselhamos a criação de links externos dofolow e nofolow para o website de domínios que estejam relacionados com o tema do website e que se localizem no País onde o website está a operar. Tem de se ter em consideração que o portfolio de links externos poderão vir de diretórios, respostas a artigos (nofolow), press releases, troca de links com bloggers da área, envio de artigos para redes sociais, social bookmarking websites, infográficos, vídeos promocionais e free links (websites com pagerank alto que permitam introduzir o URL). Importante referir que a proveniência de links externos deve ser diversificada assim como do texto âncora.

A sua empresa já iniciou o processo de SEO? Será que as gerações que aí vem vão encontrar a sua empresa quando procuram algum artigo/serviço na sua área? Quais as principais dificuldades da sua empresa nesta área?

Escreva-nos!

Plano de Marketing Digital Para Empresas

01 Jan
01/01/2014

O marketing digital é hoje uma área do marketing que nenhuma empresa pode ignorar ou negligenciar. Pensamos ser fundamental haver um bom planeamento na execução deste tipo de marketing, pois facilmente se perde muito tempo nas inúmeras ferramentas de marketing digital que se encontram hoje na Internet.

Tal como no marketing offline, é fundamental existir um plano de marketing digital, de forma a orientar os objectivos das marcas ou dos serviços potenciando o retorno do investimento e atingindo com mais eficácia os objectivos traçados.

Assim e sempre com a intenção de partilha de conhecimento que a Digital Discovery promove, definimos um esquema para um plano de marketing digital, onde descreve-mos toda a estrutura que pensamos ser relevante na aplicação de uma boa estratégia digital.

Exemplo de Plano de Marketing Digital Para Empresas

Estrutura

  • Sumário Executivo

– Breve descrição do conteúdo do documento com objectivos e metas a atingir;

  • Análise Interna

– Breve descrição da empresa;

– Descrição da missão, visão e valores da empresa;

– Descrição do posicionamento;

– Descrição do(s) slogan da empresa;

– Eixos de diferenciação dos produtos/serviços;

– Estabelecer de objectivos de curto, médio e longo prazo;

– Análise dos recursos financeiros;

– Análise dos recursos humanos;

– Análise de parcerias;

– Análise do marketing-mix actual da empresa (Produto/Serviços, Preço, Promoção e Distribuição);

– Análise do volume de vendas, quota de mercado, portfólio de produtos e sua evolução nos últimos 3 anos e análise do ciclo de vida dos produtos com matriz BCG;

– Análise da evolução do preço dos produtos/serviços nos últimos 12 meses;

– Análise á promoção/comunicação realizada pela empresa nos últimos 6 meses assim como a seu posicionamento actual na web;

– Análise do perfil do consumidor actual (comportamentos, atitudes, hábitos, interesses, motivações, atenção, desejos e expectativas);

– Análise do potencial consumidor digital (comportamentos, atitudes, hábitos, interesses, motivações, atenção, desejos e expectativas).

  • Análise Externa

– Análise de mercado com volume de vendas, quotas de mercado, taxas de crescimento, tendências e características com breve referência ao mercado digital;

– Análise PEST;

– Análise da concorrência com descrição do marketing-mix no campo digital (websites, redes sociais, SEO, web analytics, comunicação, contéudos, posicionamento, rankings alexa, entre outros);

– Análise dos recursos digitais dos concorrentes.

  • Análise Swot dinâmica digital

– Forças, fraquezas, oportunidades e ameaças no campo digital.

  • Definição de Objectivos

– Definição dos objectivos a traçar (Aumentar vendas em %, novos produtos,  fidelizar os seus clientes, aumentar a notoriedade, aumentar as visitas do site, captar leads, criar/melhorar a sua reputação, estabelecer uma relação com os clientes, etc…).

– Definição dos objetivos de marketing.

  • Metodologia de avaliação

– Este passo consiste na explicação dos métodos que se irão utilizar para se atingir os objectivos acima definidos. (Google adwords, análises de SEO, buzz gerado na Web, vendas online, contactos realizados, etc).

  • Estratégias de Marketing

– Definição da estratégia a definir para alcançar os objectivos propostos (Fidelização, diferenciação de produtos e posicionamento, segmentação e targeting).

  • Definição das Políticas de Marketing-Mix

– Definição das estratégias a adoptar ao marketing-mix (Preço, produto, comunicação e distribuição).

  • Programas de Acção

– Programas de ação de comunicação a desenvolver decorrentes da estratégia definida (plano de ação);

– Previsão de vendas.

  • Orçamento de Marketing

– Elaboração do orçamento de marketing, com custo das acções, custos de marketing, previsões de receitas e previsões de lucros.

  • Controlo e Avaliação

Nesta fase procede-se a uma avaliação do plano de marketing digital, para monitorizar os resultados obtidos.

  • Plano de Contingência

Esta fase do plano, serve para redireccionar estratégias e formular outras tácticas, caso o plano de marketing não esteja a atingir os objectivos propostos.

Conclusão.

Um plano de marketing digital é um complemento do próprio plano de marketing. Ou seja, o objectivo da criação de um plano de marketing digital, é estabelecerem-se estratégias organizacionais direccionados ao campo digital. Este plano de marketing digital pode estar associado a um plano de marketing de uma empresa, ou pode, caso o negócio seja exclusivamente online estar direccionado á internet.


Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers

Facebook

Twitter